Saúde Global como “termo genérico” – um estudo qualitativo entre professores de Saúde Global na educação médica alemã

Por Matthias Havemann e Stefan Bösner – Globalization and Health. Publicado em 27 de março de 2018

Introdução

O crescente impacto da globalização na saúde exige novos conhecimentos, habilidades e atitudes dos profissionais da saúde. Uma consequência disso é o surgimento de programas de Saúde Global (SG) na educação em saúde em todo o mundo. Na Alemanha, não existe consenso sobre o que é o SG e como ele deve ser ensinado. Este estudo usou uma abordagem de teoria fundamentada. Conduzimos onze entrevistas em profundidade com professores de SG na educação médica alemã para perguntar-lhes sobre as suas opiniões sobre a saúde global e as abordagens que os mesmos preferiram no ensino destes tópicos. A coleta de dados e a análise informada seguiram uma abordagem indutiva.

Resultados

Nossa pesquisa identificou três grandes questões: (1) O que é SG? (2) O que pertence a SG? (3) Como a SG pode ser ensinada? Uma conclusão central do nosso estudo é a compreensão da SG como um termo genérico. Mostramos como esse entendimento ajuda a esclarecer a relação entre SG e Saúde Pública, Saúde Internacional e Medicina Tropical. No núcleo da SG, vemos os determinantes supraterritoriais da saúde. Em torno do núcleo, descrevemos uma ampla variedade de tópicos que são facultativos, mas não necessariamente uma parte obrigatória da SG. Uma das principais características da SG em todos os seus aspectos é a sua natureza multidisciplinar. Com base nesse entendimento, apresentamos modelos sobre o conteúdo da SG, como ela pode ser ensinada e como o ensino da SG melhora e fortalece a educação médica geral.

Conclusões

Este é, ao nosso conhecimento, o primeiro estudo que realiza entrevistas em profundidade com professores de SG para explorar a compreensão prática da mesma na educação médica. Enquanto a generalização de nossos resultados precisa ser objeto de novas pesquisas, os modelos apresentados podem ajudar a moldar o discurso futuro em torno da SG e sua integração na educação médica.

READ IN ENGLISH BELOW.

Global Health as “umbrella term” – a qualitative study among Global Health teachers in German medical education

Matthias Havemann and Stefan Bösner – Globalization and Health. Published: 27 March 2018

Background

The increasing impact of globalization on healthcare demands new knowledge, skills and attitudes from healthcare professionals. One consequence of this is the rise of Global Health (GH) programs in health education all over the world. In Germany no consensus exists on what GH is and how it should be taught. This study used a grounded theory approach. We conducted eleven in-depth interviews with GH teachers in German medical education to ask them about their views on Global Health and the approaches they took in teaching these topics. Data collection and Analysis informed each other and followed an inductive approach.

Results

Our research identified three major questions: (1) What is GH? (2) What belongs to GH? (3) How can GH be taught? A central finding of our study is the understanding of GH as an umbrella term. We show how this understanding helps clarify the relation between GH and Public Health, International Health and Tropical medicine. At the core of GH we see the supraterritorial determinants of health. Surrounding the core, we describe a wide variety of topics that are a facultative, but not necessarily a compulsory part GH. One of the key characteristics of GH within all its aspects is its multidisciplinary nature. Based on this understanding we present models about the content of GH, how it can be taught and how GH teaching improves and strengthens overall medical education.

Conclusions

This is to our knowledge the first study that conducts in-depth interviews with GH teachers to explore the practical understanding of GH in medical education. While the generalisability of our results needs to be subject of further research, the models presented can help shape the future discourse around GH and its integration into medical education.

FONTE